terça-feira, junho 12, 2007

Geografia do Acaso

(com versos de Nzoji de Arlindo Barbeitos)


Não me fizeram adormecer
Os mercadores de cacos de cacos de coisa nenhuma.

Vejo estrelas que são bombas
Gentes que o esperar mata
Quatro árvores paradas em fuga
Um pássaro que nem asas tem
Uma borboleta desbotada
Cacos de arco-íris
Um tempo grande como o céu.

O homem tatuado caiu no feitiço das coisas de longe
Alegria breve que cabe inteira na minha mão
Para além do encanto e desencanto.

2 comentários:

Anónimo disse...

ah!!! a frase agora está contextualizada:) 1000ai

tiago disse...

pois, é um verso de um poema de arlindo barbeitos. mas acho que se aplica a mim , tirando a parte das tatuagens, se for na alma...