quinta-feira, dezembro 27, 2007

T-ARTE

As minhas duas primeiras criações artísticas vulgo "tapetes". O primeiro, para experiência e aprendizagem, é grande, azul e preto e fica a matar no chão do meu quarto, entre a cama e a escrivaninha. O segundo, mais pequeno um bocado, foi mais uma brincadeira com as cores e os trapos que me arranjaram: roxo, branco e preto. Já foi para a minha prima Rita, que se tomou de amores por ele. É viciante, terapêutico e ao menos faz-se alguma coisa útil ou bonita. Um dia destes volto a outro. Como a Particia, também eu dou nome às minhas criações. O primeiro, apesar de não ser propriamente teia (o processo é o uso de uma tela e de pedaços de pano que se vão atando sucessivamente, com nós...), chama-se Penélope, obviamente. Pela ideia de texto e pelas relações afectivas para com a figura (já que eu sou o Tulisses..., mas não só). O segundo é de outra região e, não sei se pela sugestão da cor roxa da capa do livro e do tapete, se da pureza e do oculto, pareceu-me correcto chamar-se Diadorim. E pronto, talvez ainda surjam por aí algumas Noíto, Ariadne, Ana Karenina, Lueji ou as fiandeiras de Wyrd...

2 comentários:

pARTicia - patrícia figueiredo disse...

desde o natal que ando meia desleixada nas minhas visitas ao teu blog... e está cheio de surpresas! gosto das tuas criações e é bom saber que não sou a única lunática a dar nomes esquisitos! (Diadorim é por causa do Grande Sertão? Fiquei na página cento e tal em agosto, agora tenho que recomeçar...)
beijinhos!

tulisses disse...

Diadorim é por causa do GS:V, claro. Fiquei fascinado pelo livro. Não propriamente por Diadorim, mas ainda assim... Inspirei-me em ti na nomeação das criações! bjs