terça-feira, março 18, 2008

Anthony Minghella 1954-2008

Anthony Minghella realizou dois dos meus filmes favoritos: O Paciente Inglês (1996) e Cold Mountain (2003).


Minghella venceu em 1997 um Óscar de melhor realizador pelo filme O Paciente Inglês (vencedor de 9 óscares, do romance homónimo de Michael Ondaatje) e esteve nomeado dois anos depois pelo filme O Talentoso Mr. Ripley (1999, nomeado para cinco óscares, do romance de Patricia Highsmith). Realizou ainda Assalto e Intromissão (2006), Um Fantasma do Coração (1990), o seu primeiro filme. Terminou recentemente a produção da adaptação do romance The No. 1 Ladies' Detective Agency, de Alexander McCall Smith. Minghella produziu ainda vários filmes, entre os quais Michael Clayton - uma questão de consciência e O americano tranquilo. Em 2006 produziu a ópera Madame Butterfly, de Puccini, para a Ópera Metropolitana de Nova Iorque, que lhe valeu um prémio Olivier.


Realizador de filmes longos, criador de guiões, muitas vezes a partir de romances, gostava de passar muito tempo num mesmo projecto, daí ter feito poucos filmes. Mas os que fez são obras de arte. Filmes longos que se vêem desejando mais, filmes belos no sentido mais comum.


Escrevo essencialmente sobre Cold Mountain que descobri ao lado da pessoa que amava na altura num dia 14 de Fevereiro. Lembro-me de como uma vez mais Nicole Kidman me seduziu com a sua notável interpretação de mais uma grande mulher, Ada Monroe, de como Renée brilhou no papel de Ruby e a estonteante cena em que arranca a cabeça da galinha e Jude Law se porta muito bem em todas as cenas. E toda a beleza da paisagem, a música a ficar por dentro e o pedido cumprido: «Volta para mim»... Brilhante o modo como o romance foi adaptado (que li logo de seguida), brilhante como foi realizado e montado. É daqueles que me fica para a vida.


Cold Mountain deu o óscar de melhor actriz secundária a Renée Zellweger (o Globo de Ouro e o BAFTA) e a nomeação a Jude Law. Mas tem uma Nicole Kidman impecável, de uma extraordinária força e beleza. Uma banda sonora muito boa de Gabriel Yared (também ela nomeada mais três canções nomeadas para o óscar de canção original) e um argumento adaptado a partir do romance homónimo de Charles Frazier (O Regresso do Soldado, Asa). Muitos especialistas consideram-no um filme perfeito. Apresentação aqui.

1 comentário:

pARTicia - patrícia figueiredo disse...

O Paciente Inglês também é um dos meus filmes favoritos. Do Cold Mountain já não gostei tanto, achei um bocadinho pró chato... Embora não tenha nada a ver com os outros, também gostei muito do Assalto e Intromissão, também com o Jude Law. Parece que o cinema perdeu mais um grande homem, depois do Bergman e do Antonioni...